Há uma crescente preocupação da sociedade contemporânea quanto ao bem-estar animal. O desenvolvimento da ciência do bem-estar animal visa proporcionar aos animais uma vida digna, que respeite a satisfação de suas necessidades comportamentais, fisiológicas, bioquímicas e mentais.

A ciência do bem-estar animal, além de promover uma melhor qualidade de vida dos animais, viabiliza o crescimento sustentável e agregação de valor econômico.

O termo “abate humanitário” segundo a Instrução Normativa nº 3, de 17 de Janeiro de 2000 do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, é o conjunto de diretrizes técnicas e científicas que garantam o bem-estar dos animais desde a recepção até a operação de sangria. Além disso, há um aprimoramento na qualidade da carne obtida pelo uso dessa técnica, que atualmente é uma preocupação por parte dos consumidores de carne, pelo bem-estar dos animais em todo este processo.

Princípios de bem-estar animal:

  • Questões éticas • Reflexo no manejo dos animais
  • Seguranças dos funcionários e animais.
  • Implicações na qualidade do produto
  • Repercussão na imagem do produto
  • Maior eficiência econômica
  • Eventuais sanções comerciais
  • Demanda do consumidor

Para promover o bem-estar animal é necessário o princípio das 5 liberdades:

  1. Nutricional – Manter os animais livres de sede, fome e desnutrição.
  2. Ambiental – Manter os animais livres de desconforto.
  3. Sanitária – Manter os animais livres de dor, injúria e doenças.
  4. Comportamentais – Manter os animais livres para expressar seus comportamentos naturais.
  5. Psicológicas – Manter os animais livres de medo e estresse.

Porque buscamos o bem-estar animal?

  1. Leis e exigências
  2. Reduzir perdas em qualidade de carne (obter melhor qualidade do produto)
  3. Mercado consumidor (qualidade ética, mercados e certificações)
Leia texto na íntegra
Fonte: Site Beef Point